Vida de Diego Hypolito é cala-boca no tal 'privilégio' dentre LGBT

Quem menospreza a dor de gay, branco, cisgênero, classe média, padrão e heteronormativo é essencialmente desumano

Publicado em 09/05/2019
diego hypolito privilegio lgbt
Toda dor de LGBT deve ser respeitada, sem mensurações. Quem não pensa isso não merece consideração

Por Welton Trindade, ativista LGBT. 

Nesta quarta 8, ao portal Uol, o branco, cisgênero, classe média, padrão, ex-ginasta Diego Hypolito revelou-se ser o alvo completo de um bando desumanizador que habita certa parte do movimento LGBT: gay e heteronormativo (embora esse conceito seja tão ridículo quanto quem o profere)!

Ele contou sua história! E são seguidos tapas na cara das pessoas que professam a ideia de "privilégio" dentre LGBT! 

Disse o "gay-branco-cisgênero-classe-média-padrão-heterormativo": "Eu fui [à balada gay] todo disfarçado: boné, óculos escuros, capuz. Isso se repetiria nos anos seguintes, era ridículo. Eu sempre morri de medo de me descobrirem".

Disse o "gay-branco-cisgênero-classe-média-padrão-heterormativo": "Eu tinha vergonha porque na minha cabeça ser gay era ser um demônio, um ser amaldiçoado que vive em pecado".

Mais
>>> Diego Hypolito: "Quero que as pessoas saibam que eu sou gay"

Disse o "gay-branco-cisgênero-classe-média-padrão-heterormativo": "Eu vivi a solidão de não ter ninguém com quem eu pudesse compartilhar os dilemas de ser uma pessoa gay numa sociedade preconceituosa."

Disse o "gay-branco-cisgênero-classe-média-padrão-heterormativo": [Depois de se assumir para a famíila] "Eu me afastei deles por quase um ano, cheguei a perder um Natal por causa desse clima ruim."

Disse o "gay-branco-cisgênero-classe-média-padrão-heterormativo": "Aos 32 anos, fui [a uma festa gay] pela primeira vez de cara limpa, sem disfarce, sem ter vergonha de ser quem sou, de viver o que eu quero viver."

Digamos nós: que tipo de privilégio é viver esse calvário? Ser gay, branco, cisgênero, classe média, padrão e/ou "heteronormativo" torna alguém menos humano? Incólume ao preconceito tão múltiplo, pontiagudo e capaz de ferir todo mundo? Dá a alguém o direito de tornar essa pessoa uma coisa e desconsiderar as dores que ela sente? 

Digam os que falam de privilégios dentre nós LGBT, fazem olimpíada de opressão, deixam de lutar contra toda e qualquer dor para eleger apenas algumas como "dignas" e ainda com base em pré-julgamentos anulam a dor de pessoas tais como Diego Hypolito.... Não digam, calem a boca! 


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.